11 de agosto de 2018

Especial Bienal do Livro SP 2018: Visão artificial se destaca no evento


A Mais Autonomia apresenta na 25ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo o OrCam MyEye, tecnologia revolucionária que oferece independência às pessoas com deficiência visual, déficit de leitura, dislexia e síndrome de down.
  
O aparelho fotografa, escaneia e transforma instantaneamente textos de qualquer superfície em áudio. Isto acontece com qualquer livro, jornais, revistas, placas de rua, cardápios de restaurantes, nomes de lojas, mensagens do celular, folhetos, etc. O aparelho está disponível para testes no estande Biblioteca Viva, da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo (F100), durante todo o evento, que acontece até amanhã no Anhembi.

Outro destaque será a intervenção do jornalista e escritor cego, Lucas Borba, como contador de história infantil usando o OrCam MyEye hoje às 16h. O potencial de pessoas que podem ser beneficiadas em todo o mundo supera 1 bilhão. Números da OMS (Organização Mundial da Saúde) revelam o potencial de pessoas que podem ser beneficiadas: 17% da população mundial têm dislexia e 5% sofrem de TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade). 

Com relação à Síndrome de Down, a OMS aponta que a cada 1.100 crianças nascidas no mundo, uma possui a anomalia genética do cromossomo 21. São 300 mil famílias afetadas no Brasil e 250 mil nos Estados Unidos. Já o número de deficientes visuais no planeta atinge 380 milhões. Capaz de detectar textos em português, inglês e espanhol, o dispositivo possui controle de velocidade, possibilitando a leitura de 100 a 250 palavras por minuto; permite escolher entre voz masculina e feminina; e tem comandos para pausar, adiantar ou retroceder a leitura. Tudo isso offline. 

“Cerca de 80% das atividades que realizamos no dia a dia estão relacionadas à leitura. O OrCam MyEye proporciona, com o poder da visão artificial, a inclusão, ao oferecer acesso à informação disponível aonde a pessoa estiver. Com este dispositivo é possível ler até uma revista de bordo, a 10 mil metros de altura”, explica Doron Sadka, diretor da Mais Autonomia Tecnologia Assistiva, distribuidora exclusiva da OrCam no Brasil. 

Dotado de câmera inteligente intuitiva acoplada à armação dos óculos do usuário, o OrCam MyEye é a única tecnologia que reconhece até 200 produtos previamente cadastrados. Após o reconhecimento, ele retransmite a informação discretamente no ouvido do usuário. O equipamento conta ainda com uma tecnologia avançada de reconhecimento de faces que auxilia o usuário a identificar as pessoas ao seu redor. É possível cadastrar até 150 rostos. 

Sempre que o usuário passar por uma pessoa cadastrada, o dispositivo reconhece o nome de maneira instantânea e automática, revelando quem está à sua frente. Além disso, detecta as pessoas por gênero quando não estão cadastradas. O OrCam MyEye identifica produtos por meio de códigos de barra; reconhece cores com um simples toque; e, por ser dotado de leds, opera também no escuro. Possui reconhecimento automático de notas de dinheiro (Real e Dólar) e informa a hora e a data sempre que o usuário girar o punho, como se estivesse com um relógio. 

Sua bateria integrada tem duração contínua de 2 horas e necessita de apenas 20 minutos para o carregamento. O OrCam My Eye pode ser financiado em até 60 vezes pela linha de crédito do Governo Federal para tecnologias assistivas, por meio do Banco do Brasil. Mais informações sobre o produto estão disponíveis no site da fabricante. 

Os fundadores 
A OrCam foi fundada conjuntamente por Amnon Shashua, professor da Universidade de Jerusalém e pelo empreendedor Ziv Aviram, atual CEO da empresa. Em 1999, eles idealizaram um carro autônomo, que não causasse acidentes e garantisse segurança ao volante ao criarem a startup Mobileye. 

Referência no universo da inteligência artificial, a startup foi vendida no início de 2017 por 15,3 bilhões de dólares para a INTEL, valor mais alto já pago na história israelense para uma empresa de tecnologia. Durante suas pesquisas, os sócios conseguiram desenvolver um algoritmo que possibilita a detecção de objetos no campo da visão de uma câmera. 

Em 2010, a tecnologia de inteligência artificial criada por eles foi aplicada para humanos com a criação da startup OrCam. A missão da OrCam é aproveitar o poder da visão artificial e da tecnologia vestível para ajudar pessoas com deficiência visual. Com um valor de mercado de 1 bilhão de dólares, a OrCam pretende realizar IPO até o final de 2018.

Nenhum comentário:

Postar um comentário