16 de setembro de 2016

Notícia: Escritores amazonenses desembarcam em São Paulo

A editora amazonense Lendari, comandada por Mário Bentes, participou da 24ª Bienal Internacional do Livro de São Paulo e trouxe um pedacinho do Norte do Brasil para cá.

A Lendari levou para a bienal deste ano a literatura fantástica cult. Em seu estande, a editora apresentou os livros do catálogo, que são: Quando a Selva Sussurra, A Rainha de Maio, Quase Fim e Minhas Conversas com o Diabo

Durante os 10 dias da Bienal do Livro de São Paulo, tanto o dono da editora, Mário Bentes, quanto alguns autores da Lendari ficaram na Travessa Literária, no estande L079, apresentando os livros e interagindo com leitores e outros escritores. 

O blog Bio-Livros teve a oportunidade de conversar com  Leila Plácido e  Mário Bentes.
Obras já publicadas pela editora Lendari.
(Foto: Divulgação)

Segundo Mário Bentes, que além de dono da editora tem títulos publicados e organizou antologias, esta é a segunda vez que ele participa da Bienal de São Paulo e é a primeira da Lendari. De acordo com ele, estar neste evento é importante para fazer com que a editora seja cada vez mais conhecida pelo público leitor. "Como primeira aparição da Lendari em evento de grande porte como a Bienal, acho que o retorno tem sido muito positivo, porque a nossa ideia neste momento é mais de consolidar a marca Lendari, apresentar estes novos autores e nossos títulos, e a receptividade tem sido muito boa", afirma.

Mário também conta que o número de visitantes e até mesmo o perfil dos leitores foi diferenciado durante a semana e nos finais de semana da Bienal, mas que isso não foi empecilho para a editora. "Durante a semana tem muitas caravanas de escolas e nossos livros são um pouco mais maduros, mais adultos, mas todos os dias a gente teve saída", comemora.

Mário Bentes, criador da editora Lendari.
(Foto: Divulgação)
O jornalista ainda diz que, no geral, as pessoas gostaram muito do estande da editora e que, mesmo já há dois anos no mercado, muita gente não a conhecia. Para a editora, esta é uma etapa em que traz retorno mais qualitativo e menos quantitativo. "Considero como retorno, por exemplo, um autor que veio durante a semana e trouxe um protótipo do livro dele. Ele veio exclusivamente procurar a Lendari, porque nos viu nas redes sociais, viu nosso site e gostou dos títulos, esse retorno para mim é muito importante", afirma. 

O editor da Lendari relata que gostou muito do manuscrito apresentado pelo autor que, segundo ele, é de qualidade. Mário não dá mais detalhes, como nome do autor ou título da obra, por ainda estar fechando o contrato, mas garante: "A partir do ano que vem as pessoas vão ouvir falar mais da Lendari, passar a associar a marca Lendari com  literatura fantástica, com realismo mágico e com ficção científica de qualidade." 

Como dito anteriormente, qualidade nas obras é o que visa a Lendari, que também propõe em seus livros "construir excelentes personagens, obras cativantes e que não tenham apenas grande aventura, mas grandes personagens". "Como professor de escrita criativa, gosto muito de focar nisso. Se você não tem grandes personagens, então não tem grande história", analisa. 

E, tendo em vista este retorno positivo da Bienal em São Paulo, Mário já pensa em outros eventos. "Para mim a Bienal foi maravilhosa, eu não cogitava ir para a do Rio, mas, agora, ela é real", anima-se.


Leila Plácido na Bienal do Livro SP.
(Foto: Divulgação)
Quem também esteve no estande da Lendari e viu este movimento de pessoas foi Leila Plácido, autora de Quase Fim, publicado pela editora amazonense. Ela ressalta a importância de estar em contato com profissionais do mercado editorial e com o público.  "Vamos conhecendo pessoas e fazendo novas amizades. Acho muito importante este contato com o leitor, mesmo que a pessoa venha e não compre o livro", opina.

Esta experiência na Bienal do Livro de São Paulo foi muito importante para Leila, que dá destaque especial para a participação da Lendari. "Foi experiência magnífica e o crescimento também tem sido, pois viemos de uma região que, apesar de já ter a literatura difundida, tem poucos escritores, e eles são muito regionalistas, além de não ter coisas como as que o Mário está propondo agora com a Lendari e com a literatura fantástica", reflete. 

A escritora ainda detalha qual é a proposta de sua obra: "Quase Fim é uma distopia com narrativa em primeira pessoa. Zoé conta como é estar vivenciando uma situação de guerra para qual ninguém estava preparado, porque do nada o mundo começa a ser bombardeado pelos Messias, que são um grupo super secreto que ninguém sabia que existia. Só vieram saber da existência deles a partir do momento em que eles começam a bombardear todo o mundo de pessoas inteligentes. Apesar de se denominarem assim, eles fogem da questão de religião."

Sobre a Lendari e novidades
"A Lendari nasceu com uma proposta mais fechada de literatura fantástica que, embora seja um guarda-chuva e tenha muitos conceitos internos, é segmentada, aí eu enquadro realismo mágico e também ficção científica. Da Lendari nasceu um segundo selo, mais horizontal, chamado Casa Literária. Ele foca em coletânea de poesias e de contos, sem temática específica, além de crônicas jornalísticas. Além disso, ainda sem nome definido e não sei se será um filhote da Lendari ou se será algo novo, teremos em dezembro o anúncio oficial de um novo selo dedicado a quadrinhos. Um criador de um personagem famoso na internet, que não vou dizer quem é porque ainda vou fechar com ele,  nos procurou e disse que gostou muito da Lendari e títulos, além de ter dito que achou o site maravilhoso. Acredito que, com a Lendari, a Casa Literária e o novo selo de quadrinhos, vamos ter muitas surpresas para 2017, 2018 e de agora em diante". (Mário Bentes)
Equipe Lendari e blog Bio-Livros na
Bienal de São Paulo.
(Foto: Divulgação)
Além de falar sobre a primeira experiência da Lendari em uma Bienal e as novidades para o futuro, Mário, em nome da editora, deixa um recado e um convite: "Convido a todos a curtirem nossas redes sociais, que são pequenininhas. Quem quiser curtir acesse o nosso site."

O escritor ainda explica sobre sua carreira e o segmento de antologias, o qual ele gosta. "Trabalhamos muito com antologia literária, comecei a lançar meu nome literário com antologias, basicamente. É uma estrutura legal, porque você escreve contos dentro de uma temática, sem o compromisso de um livro inteiro, você começa entrando no mercado aos pouquinhos. O autor se empolga, começa a querer participar de mais, começa a escrever seus próprios livros. Participei de sete antologias, sendo que cinco me inscrevi e entrei em todas, já as outras duas foram pela editora Empíreo a convite deles.", expressa Mário.

A Lendari está presente no Facebook e Instagram. Para outras informações, acesse também o site da editora.

O blog Bio-Livros já resenhou o livro Quando a Selva Sussurra e em breve trará outras resenhas de obras da editora. 

2 comentários:

  1. Olá!

    Também tive a oportunidade de entrevistar o Mario, mas foi para meu TCC hahaha Gostei muito da entrevista e da presença da Lendari na Bienal. Foi o início de uma caminhada de sucesso para a editora. Parabéns pela matéria!

    ResponderExcluir
  2. Oi, Dani!
    Não conhecia esses escritores! Mas é sempre bom ver o sucesso de autores nacionais! Adorei <3
    Beijos!
    Borboletas de Papel | InstagramFanpageTwitter

    ResponderExcluir