10 de maio de 2016

Resenha: Anna e o Homem das Andorinhas - Gavriel Savit


O livro Anna e o Homem das Andorinhas, escrito por Gavriel Savit e publicado pelo selo Fábrica 231 da Editora Rocco no Brasil, traz um retrato do cenário da Segunda Guerra Mundial sob os olhos de uma criança.

Sinopse: Cracóvia, 1939. Anna tem apenas sete anos quando seu pai, professor de linguística, é levado por soldados alemães. Ela então encontra o homem das andorinhas, uma figura misteriosa que, assim como seu pai, é capaz de se comunicar em vários idiomas, até na língua dos pássaros. Sem nada a perder, a garota decide segui-lo. Mas num mundo em guerra, tudo se prova muito perigoso. Até o Homem das Andorinhas.

Anna cresceu ao lado de um pai atencioso, professor e adepto de vários línguas e por conta disso ela também sabia muito bem outros idiomas. 

Certo dia seu pai fora convocado para resolver "assuntos com o governo" e eis que ela encontra o Homem das Andorinhas, o qual estará presente com ela em sua infância e também nos causos da adolescência.

Anna, mesmo sendo uma garota muito inteligente para a sua idade, não entende muito bem o significado de guerra, chega a compará-lo à falta de biscoitos na região a qual vive. Mas agora Anna se encontra em um mundo cercado de medo, o qual a morte sempre está por perto e algumas sociedades acreditam que sejam superiores às outras.

Muitas perguntas são feitas, poucas respostas são obtidas e para Anna tudo o que está passando é novidade e, por ainda ser criança, acaba não enxergando a maldade que existe em alguns.

"As pessoas são perigosas. E quanto mais pessoas houver em um lugar, mais perigoso ele se torna. Isto se aplicava a construções, estradas, cidades grandes e pequenas."

Mesmo lidando com um assunto delicado e violento o autor consegue expor a inocência de uma criança e envolver o leitor em cada situação alegre ou alarmante. 

A obra aborda um assunto real, histórico e consegue, por meio da ficção, trazer sensações reais daquele período. Um livro tão bem elaborado e cheio de contextualização fiel à história, que as vezes nos esquecemos que a personagem é fictícia.

Curiosa com a relação e analogias que o autor realiza entre animais e homens, fui pesquisar a simbologia da palavra andorinha e encontrei: esperança, boa sorte, amor, fertilidade, luz, ressurreição,  pureza,  primavera,  metamorfose e renovação.


"É claro, naqueles dias estava longe de ser uma raridade encontrar pessoas que não estivessem vivas. Elas não eram tão numerosas quanto as árvores das florestas, mas, com o tempo, na mente de Anna, passaram a ser uma extensão natural dela..."

Senti falta de saber um pouco mais sobre o mistério que envolvia o Homem das Andorinhas. Ao terminar de ler o questionamento sobre este personagem é enorme. Talvez tenha sido uma proposta do autor.

A capa tem uma tonalidade azul que pode remeter a tristeza e depressão, o que faz sentido para o cenário da obra. No começo de cada capítulo há um desenho referente a cada assunto o qual será tratado. A diagramação é boa e existe um bom espaçamento entre as frases, o que torna a leitura mais agradável.

Anna e o Homem das Andorinhas é comparado por alguns críticos aos livros A Menina que Roubava Livros e O Menino do Pijama Listrado. Tenho certeza que quem gosta deste tema vai apreciar esta leitura e compreender um pouco mais esta época tão sombria da história mundial.

Confira o book-trailer:




Nota
Serviço
Anna e o Homem das Andorinhas 
Autor: Gavriel Savit 
Ano: 2016 
ISBN: 978-85-68432-46-4
Pátinas: 272
Editora: Rocco
Selo: Fábrica 231 

2 comentários: