29 de maio de 2015

Notícia: Livros traz vigilante improvável para combater sequestros, assaltos e arrastões



Em As Crônicas do Cascavel, o jornalista Guilherme Solari homenageia clássicos de ação com um vigilante improvável cujo único poder é seu conhecimento enciclopédico de filmes de tiros e pancadaria .
 
Tráfico de drogas, sequestros, assaltos e arrastões. Esses crimes são recorrentes no cotidiano do brasileiro, principalmente nas grandes capitais. Em As Crônicas do Cascavel, o personagem Valter Torres, dono de uma videolocadora, se transforma em vigilante após ter a loja assaltada seguidamente. É nesse episódio que a querida tartaruga de estimação dele, Charles Bronson, morre esmagada. A partir desse dia, a vida de Torres se transforma. Decidido a lutar contra o crime na capital paulista, agora com o codinome de Cascavel, ele sai pelas ruas com um único objetivo: limpar a cidade dos vilões.
– Quem está aí?! – perguntaram novamente, obtendo uma resposta desta vez.
– A cura – disse uma voz rouca da escuridão.
– Cura?! Cura do quê?
– Da doença – respondeu a voz, de outro canto agora.
O autor humaniza o personagem ao revelar, por um lado, um herói disposto a lutar contra a violência, e por outro, alguém que ainda é mimado pela mãe.
– Eu fiz tostex e achocolatado.
Cascavel pensou um pouco antes de responder.
– Você fez bem queimadinho? – inquiriu o vigilante.
– Claro, filho. Do jeitinho que você gosta.
Cascavel considerou que aquelas calorias poderiam ser bem utilizadas no combate ao crime.
– Tá bom. Deixa aí que eu pego!
A obra, com 25 crônicas que se entrelaçam, retrata diversas aventuras de Cascavel contra a criminalidade em São Paulo. A ideia para a criação do personagem, inclusive, veio de uma notícia de jornal que o autor, Guilherme Solari, leu sobre o dono de uma videolocadora que havia sido assaltado seguidas vezes na capital. Além disso, Solari usa seu olhar jornalístico para denunciar desde problemas sociais como o tráfico de drogas na Cracolândia até questões cotidianas, como o trânsito pesado na capital paulistana.

Leia os primeiros capítulos e veja o trailer no site.

Sobre o autor
Guilherme Solari é jornalista e escritor. Fã de videolocadoras desde a infância, conhece muito bem os filmes de ação da década de 80. Também é autor do livro “Quando os Pesadelos Acordarem”, que conta como um terremoto abriu rachaduras em São Paulo e destruiu a eletricidade da cidade. Desde 2005, ele alimenta o blog literário Taverna Fim do Mundo, em que escreve resenhas, crônicas e artigos.

Serviço
Crônicas de Cascavel
ISBN: 978-85-8473-311-8
Páginas: 332
Formato: 16×23
Editora Multifoco - Selo Redondezas

2 comentários:

  1. Não sou muito fã de livros de pancadaria por assim dizer, mas curto muito histórias de aventura e ação, amo também sobrenatural!
    Beijos
    http://overdoselite.blogspot.com.br/2015/05/resenha-primeiro-e-unico-emily-giffin.html

    ResponderExcluir