5 de fevereiro de 2015

Minuto do Escritor: Bella Sullivan

 

A escritora Bella Sullivan tem 18 anos, é estudante universitária e publicou sua obra (Sebastian) online.

Sinopse: Solveig resolve passar um ano na Romênia com as tias, mas um acidente acaba matando-as e mudando o seu plano, ela vai morar com o primo de segundo grau, Sebastian, um herdeiro sexy, levemente cafajeste, mas ao mesmo tempo completamente romântico e apaixonante.
 

Se interessou? O livro Sebastian pode ser lido no Wattpad e no Widbook.

Confira abaixo uma entrevista realizada com a autora:
Com que idade começou a escrever? 
Aos 10 anos eu comecei a escrever histórias de fantasia baseada em livros como Harry Potter e Senhor dos Anéis. Depois fui variando, mudando meus estilos, minha primeira história publicada foi aos 14 quando comecei a escrever fanfictions.

O que te motivou a escrever? 
Sempre senti como se eu tivesse muitas histórias dentro de mim. Eu sinto necessidade apenas de colocar esse mundo que vive dentro de mim pra fora. 

Como escolheu o gênero o qual escreve? 
Em Sebastian eu tenho um gênero, é um bem comercial, excitante de ler e fazer. Mas nem sempre trabalho com ele. Escolhi esse pra entrar no mercado com mais facilidade.  

Pretende escrever outros gêneros? 
Sim. Romances de época, policiais e suspense.

Como foi a pesquisa para escrever seu livro? Em que se baseou? 
Tudo começou com histórias de amigos sobre intercâmbio. A Romênia é um país complicado porque não tem muito material na internet. O que tem é muito específico sobre as lendas e folclore local. Nada muito sobre a economia e estilo de vida. Boa parte ali é fantasiado, porque como o país era parte da União Soviética ele ainda mantém muito da arquitetura antiga.

O que acha sobre a literatura nacional?  
Acho muito boa, recentemente li um livro chamado"´Álbum Duplo", de um autor nacional o Paulo Henrique Ferreira, que eu simplesmente amei, morro de vontade de mandar um e-mail pra o autor e elogiar a capacidade dele de fazer um livro que me deu um efeito (muito típico de bons filmes) que eu chamo de: "efeito tapa na cara". Mas também curto o trabalho da Carolina Munhóz, a base de pesquisa dela é muito boa e com ótimas referências. Já na minha "área" admiro muito a Julianna Costa com o 23 Noites de Prazer (além dela ser um amorzinho de pessoa). 
 

Qual seu livro favorito? 
Dom Casmurro, do Machado de Assis. 
 

Para você, como é o mercado de literatura no Brasil? 
Muito complicado. O que rende é a literatura que vem de fora, e é frustrante pra quem produz os "produtos da casa". Dói também como o leitor valoriza mais esse produto exportado e transforma essas obras até em coisas meio "overrated". Recentemente vi uma entrevista em que John Green diz que a obra dele faz mais sucesso no Brasil do que nos EUA, e pra mim, como escritora, isso soou preocupante. Fui na Saraiva do Shopping Botafogo esses dias e notei como a estante de livros estrangeiros era enorme e como a de livros nacionais era pequena.

Sua obra está publicada (impressa) ou somente se encontra na versão online?
Eu queria muito ter uma versão impressa dele, queria muito publicar um livro. É um sonho.

Como você se enxerga daqui 10 anos? 
Formada, trabalhando no que eu amo e morando sozinha (quero casar mais velha e não desejo ter filhos). Provavelmente conhecendo o leste europeu.

Qual sua forma de interagir com os leitores? 
Sou bem acessível, deixo meu facebook, instagram e e-mail abertos pro público. Não respondo os comentários de "posta mais" (minha resposta são as proprias atualizações), mas amo receber elogios, perguntas, dúvidas. Quem gosta sempre se aproxima.

Qual o futuro da literatura?  
Minha geração tem se mostrado cada vez mais próxima a literatura. Tivemos grandes autores que salvaram o gosto dos jovens pelos livros e isso é admirável. É algo que tende a crescer mais e mais. Só temo que esse interesse seja cíclico.

Nenhum comentário:

Postar um comentário